terça-feira, janeiro 25, 2011

E as bailarinas com pés fortes?

Vários já foram os tópicos abordados por aqui sobre fortalecimento para os pés. Mas recentemente recebi perguntas e sugestões sobre o inverso: as bailarinas que possuem pés muito fortes. O que fazer para as sapatilhas de ponta durarem mais? 


Qual sapatilha escolher?

Geralmente eu não costumo treinar com a mesma sapatilha que me apresento. Para as apresentações, escolho sapatilhas maleáveis; sempre uso a Capézio Partner 180. Já nas aulas, prefiro uma ponta mais reforçada, pois esta irá trabalhar os pés, o que é  importante, mesmo para quem já possui força. Além disso,  quem possui pés fortes necessita de sapatilhas mais duras, para dar devida sustentação e não quebrar tão rapidamente. Algumas sugestões:

  • Millenium Adágio (recomendada para quem possui pés largos);
  • Contempora I ou II reforçada - Capézio;
  • Giselle - Capézio (nunca usei).

Foto retirada do blog Plano B.
Se puderem investir, vale muito a pena comprar uma sapatilha da marca Gaynor Minden. É a melhor, sem dúvidas! O diferencial é o material: simplesmente não quebra! Isso porque em vez de palmilha normal, ela possui elastômero, que é uma espécie de elástico resistente, que se adapta ao formato do pé e aos movimentos feitos pela bailarina. Aqui no Brasil a Gaynor não é vendida. Mas dá para realizar pedido pelo site; eles possuem um completo questionário, onde escolhem o melhor modelo para seu tipo de pé.


Algumas bailarinas aquecem a sapatilha no forno quando esta fica mais mole. Eu nunca testei, por isso não posso assegurar sucesso nisso, e acho melhor não arriscar. Mas esta era a única "dica" que eu sabia para sapatilhas durarem mais. Ah, e outra coisa: não forçá-las muito nas mãos. Se a ponta for muito dura, até é bom dar uma leve amolecida, mas nada demais. Amolecer é mesmo nos pés!


E vocês? Possuem alguma dica?


sábado, janeiro 15, 2011

Dicas para sustentação de perna

A sustentação de perna é um dilema para muitos bailarinos (oi!), pois realmente é difícil mantê-las com o quadril e fêmur nos lugares certos, com postura, etc. Mais uma vez eu digo: é apenas questão de treino; com o tempo, você consegue se corrigir, perceber seus erros e trabalhar em cima disto.

Foto retirada do blog Na Ponta dos Pés.
Muitos bailarinos possuem boa flexibilidade na hora de alongamentos, mas na hora de realizar exercícios mais lentos, como um adágio, a perna não sobe. E isso, pode apostar, não é falta de flexibilidade.

Um dos erros mais comuns: levantar a perna pelo glúteo. Como assim? Quando você não está encaixado, com quadril e fêmur nos lugares errados, a tendência é erguer a perna pelo glúteo. Pode reparar; se olhe no espelho e sinta: se você se enxergar torta, e não sentir a força empregada no posterior da coxa, pode ter certeza: está fazendo o exercício de forma errada; sua coluna também não estará totalmente ereta, mas sim com uma curvatura acentuada na região lombar . Isso é até difícil de explicar, pois é uma coisa muito pessoal; mas peça orientação para sua professora ou professor.

Outro erro que também é comum: fazer a força para levantar a perna na região anterior da coxa. Não adianta: ela não vai subir de jeito algum. Por isso, nunca esqueça: a força deve ser feita no posterior da coxa!

E outra dica: não faça muita força para subir a perna: tente realizar um movimento suave; respire bem e alongue a postura durante a feição do exercício; os braços também ajudam.

O blog Ballet Monde dá dicas de alguns ótimos exerícios auxiliares: